quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Pavlova de chocolate com cobertura de morangos




Hoje nas notícias abordaram um assunto delicado, infelizmente em voga no nosso país: o aumento do número de pessoas a viverem abaixo do limiar da pobreza. Não consegui ver a peça até ao fim. Não consigo acreditar que este é o nosso Portugal. Não consigo acreditar que estamos a baixar os braços. Que não lutamos por um espaço nosso. Que não lutamos pela nossa formação. Que não acreditamos nas nossas capacidades. Parece que acreditamos no Velho do Restelo. Os senhores da televisão importam-se de apresentar uma peça sobre pessoas bem sucedidas, independentemente das suas origens? Precisamos de notícias positivas. Chega de negativismo.


Deixo a pavlova que foi devorada por dois gulosos em dois dias. A receita pode ser consultada aqui. Quanto aos morangos, foram lavados, retidada a parte verde, e regados com algumas gotas de sumo de limão. Já as natas, comprei creme fraiche, porque queria uma pavlova divina, mas não percebi se este creme não é para bater, ou se continuo a ser um zero à esquerda no que a bater natas diz respeito. A quem quiser dar a sua sugestão acerca deste assunto, ficarei eternamente agradecida. Parece que tenho de tirar um curso superior para montar natas em castelo.





Espero que fiquem animados com as fotos!

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Carapauzinho



É cómico começar o dia a escutar notícias como a do aumento do combustível, por motivo do aumento da matéria-prima. É que, quando diminui não vejo as grandes gasolineiras a correrem a baixar os preços! Aí, dão desculpas disfarçadas sob médias e desvios padrões que justifiquem a pouca descida verificada desde a liberalização. O mercado não é uma caixa de surpresas, afinal, o mercado rege-se, entre outras, pela básica lei da oferta e da procura, com as oscilações inerentes à incessante busca pelo tão afamado equilíbrio. Mas, mesmo assim, eu considero-o uma caixa de surpresas.


Bem, grande surpresa, para uma leiga em matéria culinária, foram os carapauzinhos que comprei no mercado da freguesia. Quando o S. viu, ficou espantado e perguntou quem havia dado, uma vez que a captura do carapauzinho, vulgo "Jaquinzinho", está proibida. Eu não sabia! Ou, pelo menos não lembrava. Engraçado que na semana passada, uma das peças do Telejornal noticiava uma captura do carapau com tamanho inferior ao permitido. Escandaloso foi o preço de venda ao público do total da mercadoria apreendida que rondava os 50 mil euros.


Assenti que o preço que paguei foi um bocado elevado, mas como passei uma semana inteira a comer carne, qualquer coisa que se apelidasse de peixe, eu comia. No entanto, senti um enorme peso na consciência, e esforçar-me-ei por não voltar a consumir este peixinho.

Ingredientes para 2 pessoas: - 2 mãos cheias do peixinho; - sal; - farinha; - óleo para fritar.


Modo de preparação: Lave o peixinho, retire o excesso de água com o apoio de papel de cozinha. Tempere com sal, passe por farinha e frite em óleo bem quente.






Espero que gostem da sugestão, de preferência, aplicada a peixe em tamanho que respeite as normas europeias!

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Carapau grelhado

O meu relógio biológico explodiu. Já não suporto o Tic Tac. Maldita crise... Tantos sentimentos para poucas palavras.


Ainda durante as férias, fomos até Coimbra, numa tentativa vã de tomar de assalto o banco de portugal, invadir a universidade, visitar os monumentos de maior relevo, ou visitar todas as casas típicas, divertimo-nos bastante no Portugal dos Pequenitos, fazendo jus ao escandaloso preço da entrada.



Se não estou erro, esta casa é típida do Algarve.

Já este senhor, cedeu à pressão e perdeu os sentidos, na que era suposta ser uma "Cena do Quotidiano"! Alguma semelhança com a realidade é pura coincidência!


Depois de passarmos quase uma semana com uma dieta onde a carne figurou em todas as refeições, um peixinho soube mesmo bem.


A receita não oferece qualquer novidade, a não ser estimular o seu consumo.



Ingredientes para 2 pessoas: - 2 carapaus; - sal; - azeite; - 2 colheres de sopa de pimentão doce; - cebola e salsa picada.


Modo de preparação: O peixe foi limpo, cortado e temperado com sal. Foi grelhado com a grelha bem quente. Durante aproximadamente 20 min. Acompanhámos com um molho de escabeche bem básico, que foi preparado com azeite que levámos ao lume, 2 colheres de pimentão doce, cebola e salsa picada. Empratámos o peixe, com batatinhas cozidas, tudo regado com o molho. Ainda contámos com a presença da salada de alface com tomate.



Espero que gostem!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Para as galinhas?

Depois de assistir ao vídeo onde a Isasaweis ensina a preparar um pãozinho caseiro, fiz contas de cabeça e percebi que ao comprar farinhas preparadas para o efeito estava a mandar dinheiro pela janela. Por isso, decidi banir da dispensa essas farinhas, cujo preço de venda ao público ronda os 1,70€ (mais cêntimo, menos cêntimo).



Acontece que uma das minhas tentativas não correu muito bem, pois deixei o pão pouco tempo no forno, e depois de ter cortado a primeira fatia pensei em dar o pão à minha mãe para alimentar as galinhas. Até que me ocorreu a ideia de fatiar todo o pão, levar ao forno a 200ºC por 30 min para fazer uma espécie de tostas e reduzir a pão ralado!



Et voilá! Como dizia o Sr.Lavoisier: "Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma." Quase o lema desta cozinha, onde até se costuma criar alguma coisa!









Espero que gostem da sugestão!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Ponto de estrada?

O regresso ao trabalho não se revelou nada calmo. Os 300 e-mails por ler eram um presságio de que os próximos dias seriam complicados. Ao fim de uma semana de trabalho, consegui "arrumar a casa". Nada pior do que ter assuntos pendentes, por isso, os e-mail foram lidos, respondidos e arrumados. Por aqui, todos os e-mails são importantes, por isso, todos são arquivados em pastas organizadas por códigos.


Isto para justificar a minha ausência, mas tenho tantas coisas para contar que nem sei por onde começar! Começo por comentar uma desilução, fruto da minha inexperiência em preparar compotas! A minha mãe deu-me um quilo de figos, colhidos na figueira que os pais têm. Convencida dos meus dotes culinários, decidi preparar uma compota de acordo com uma receita que namoro à mais de um ano. Eis que surgiu uma dúvida: "O que é ponto de estrada?". Claro que recorri ao google e descobri que o ponto de estrada é quando o preparado tem um consistência que ao ser mexido resulta numa estrada que permite ver o fundo da panela. Acontece que a receita sugeria que o preparado ficasse em lume brando durante hora e meia, apesar de ter alcançado o ponto de estrada antes de ter concluído uma hora, duvidando do ponto e acreditando piamente na receita, achei por bem deixar a compota ao lume até fazer uma hora e quinze minutos. Claro que passei do ponto de estrada para o ponto de rebuçado! Conclusão, tudo para o lixo e uma panela para esfregar!


Para quem venha a sofrer o mesmo erro, deixo a sugestão: acreditem nas vossas capacidades, ainda que sejam poucos experientes na área em questão.


Quanto à panela, a solução até foi simples e ainda aproveitei para restitui-lhe o brilho original! Enchi-a com água e deixei ferver, dissolvendo a maioria do caramelo que resistia. Lavei, retirando o maior. Como não ficou perfeito, e tinha um pedaço colado no fundo, deixei com água de um dia para o outro, e depois usei um esfregão bravo (passo a publicidade) e ficou perfeito. Outra solução passa por deitar água e vinagre, ou sal, e levar ao lume deixando ferver, sem precisar ficar de molho.



Espero que tenham mais sorte na cozinha!

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Perú estufado



Continuando a relatar as nossas férias, logo no nosso primeiro dia fomos a pé até à Câmara Municipal da Sertã, e aproveitámos para fotografar a maravilhosa paisagem e as casas, algumas à venda, outras abandonadas, mas todas davam um certo encanto, mesmo as que precisam de boas obras de remodelação.


Do miradouro Caldeira Ribeiro, restaurado em 1997, podemos observar a praia fluvial da Sertã, as piscinas, um passeio à beira rio, e os pinheiros e eucaliptos que nos acompanham por todo o lado!


Esta é a casa que escolheríamos para viver:





Quanto à receita, confesso que nunca havia preparado um perú estufado tão saboroso. Deixei a marinar durante quase 2 dias, e depois na sua preparação abusei do tomate e da cebola!

Ingredientes para 4 pessoas: - 2 pernas de perú; - sal, pimentão doce, vinho branco, tomilho, e louro q.b.; - 1 cebola; - 1 dente de alho; - 1 tomate grande; - 1 pacote de polpa de tomate.





Modo de preparação: Deixe a marinar durante 24-28 horas temperado com vinho branco, sal, pimentão doce, tomilho e louro. Reserve no frigorífico. Numa panela aqueça o azeite e refogue a cebola picada e 1 a 2 dentes de alho. Acrescente as pernas de perú e deixe alourar um pouco. Acrescente o tomate pelado e cortado. Deixe cozinhar um pouco e depois acrescente um pacote de polpa de tomate. Rectifique o tempero e adicione uma pitada de açúcar para cortar a acidez do tomate. Vá adicionando vinho branco e/ou água fervente. Deixe a cozinhar em lume brando durante 30 min. No final da cozedura e para terminar o S. fatiou a carne e deixámos apurar por mais 5-10 min.

Acompanhámos com batatas fritas e salada.


Ficou uma delícia!



Espero que gostem!

sábado, 13 de agosto de 2011

Nuggtes de frango

Na praia fluvial do Troviscal era possível fazer uma sessão de SPA, nas pequenas cascatas que a Natureza proporcionava. Sítio calmo, onde passámos alguns dias das nossas férias. Num pequeno espaço tínhamos rio, areia, relva, e um pouco de história. As casas antigas e seus curais abundam na serra.







Deixo uma receita preparada antes de ir de férias!


Ingredientes para 2 pessoas: - 2 bife de frango; - 2 dentes de alho; - sal q.b.; - sumo de limão; - 1 ovo; - farinha e pão ralado q.b.; - óleo para fritar.


Modo de preparação: Comece por cortar os bifes, reduzindo-os a pedaços a seu gosto. Tempere a carne com os dentes de alho picados, sal e sumo de limão. Passe por farinha, depois pelo ovo e, por último, por pão ralado. Leve ao óleo quente e deixe fritar até alourar dos dois lados. Se preferir uma versão light, pode esmagar Corn Flakes (sugestão do programa "Em forma na cozinha"), substituindo assim o pão ralado. Em vez do óleo, pode fritar num fio de azeite, tapando a frigideira com uma tampa para exercer um pouco de pressão e ajudar na fritura por fora e cozedura por dentro (sugestão do Jamie Oliver num programa da Oprah).



Espero que gostem!

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Pudim de ovos


Ao entrar na capital, regressando de quase duas semanas de férias, sentimos de imediato o aroma a stress e a rotina. Já na fase da adaptação pré-trabalho, ligamos a televisão e somos bombardeados com notícias que nos obrigam a regressar do mundo da lua.


As férias serviram para descansar e meditar sobre novas medidas que me permitirão ter uma vida mais sossegada, já que detesto o stress e detesto ter montes de coisas por fazer. A principal medida é educar-me a ter um momento por dia para meditar.


Também nas férias, tive de enfrentar um dos meus medos. Ficar na água! Mesmo estando numa piscina com pé, não conseguia ignorar a minha fobia e, com medo de ir ao fundo, tentar nadar revelou-se uma tarefa difícil. Mais difícil ainda, se tinha de experimentar nadar com os braços sempre debaixo de água.

Pela primeira vez preparei o pudim de ovos, mais uma especialidade da minha mãe! Com direito a ovos caseiros.

Ingredientes para 6 pessoas: - 6 ovos; - 6 colheres de açúcar; - 1/2 lt de leite; - casca de limão; - 1 pau de canela; - caramelo de compra.

Modo de preparação: Comece por ferver o leite com um pouco da casca do limão e o pau de canela. Deixe arrefecer um pouco. Bata os ovos com o açúcar. Adicione ao preparado anterior o leite. Leve ao forno a 175ºC por 40 min numa forma untada com caramelo.







Espero que gostem!