quinta-feira, 28 de março de 2013

Como me organizo

Não faço disso segredo, pois os que privam comigo sabem que a minha maior debilidade é de carácter financeiro. Desde que trabalho, e já lá vão uns 17 anos, que é raro o mês em que consigo chegar ao último dia com mais um dígito na casa das dezenas. E este comportamento verifica-se não só na conta bancária como na carteira. 

Tentei de tudo. Desde não andar com o cartão comigo a tomar nota de tudo o que comprava. Fui um bocadinho mais longe e, numa tentativa de terapia, escrevia dezenas de vezes uma qualquer mensagem, como por exemplo: "Não preciso de nada". Mas a realidade é que acabava sempre por chegar ao fim do mês e repetir o final do mês anterior.

Inicialmente qualquer técnica pode revelar-se interessante, e eu até posso estar 100% motivada para ter sucesso, mas acabo sempre por, no meio da minha organização, desorganizar-me e perder o fio à meada.

Para poupar dinheiro, para mim, a única solução é ter produtos financeiros com o banco ou com a seguradora. Mensalmente retiram da minha conta uma determinada importância, e assim, sei que nem tudo está perdido.

Claro que nem sempre respeito a data fim, acabando por resgatar para responder a alguma necessidade. Mas insisto em ter um ou dois, em diferentes instituições, para garantir que se precisar tenho algum dinheiro de parte.

No ano passado usei uma agenda, mas entendi que não supria todas as minhas necessidades, por isso, este ano, decidi comprar um caderno e dividi-lo a meu gosto. Criei os seguintes separadores:

"Inventário e Planeamento das refeições" onde fiz o inventário em Janeiro, em jeito de estreia da agenda, fui rectificando conforme foram acontecendo alterações, mas fiquei por aí;
"Apuramento das despesas mensais" elaboro um mapa, onde registo as despesas de alimentação, combustível e diversos, que me permite ter consciência de quantas vezes vou às compras, ou abasteço o carro, ou dou asas a um devaneio qualquer;

"Tarefas Dia" acaba por ser o mais escrevinhado, onde registo o que pretendo fazer ou o que deveria ter feito, numa tentativa de meditação sobre o dia e melhoramentos a seguir. É neste espaço que escrevo as receitas que improviso e cujo resultado final é aprovado. Também é onde anoto os truques e dicas culinários que vou aprendendo;
"Preciso de" complementa a lista de compras, pois existem sempre ingredientes e itens da casa que sei que preciso mas esqueço sempre de comprar;
"Poupança" onde registo as entregas que vou fazendo e, onde pretendia dar início a uma espécie de poupança doméstica, retirando uma determinada importância dos nossos plafonds e colocando-a num envelope, tendo fracassado nesta última resolução.

Acho que posso dar a desculpas das mudanças, para justificar os meus erros. Sou da velha guarda. Tenho de ter as coisas em papel, escritas por mim. E, de preferência, tudo no mesmo espaço. Detesto ter muita coisa, por isso, o caderno pareceu-me interessante.

E vocês? Como se organizam?

segunda-feira, 25 de março de 2013

Livro novo e strogonoff de frango

Este fim de semana aproveitei o vale de desconto de 10% do Continente. E ainda tive a sorte de terem alguns livros de culinária com 40% de desconto. Ainda hesitei, porque tenho alguns livros que folheei, com poucas receitas experimentadas, mas considerando o facto de a Nigella ter sido uma espécie de musa de inspiração e de não ter qualquer livro seu, este, tinha de vir comigo!


Já podemos dizer que "quase" temos casa. E, ter pendurado os quadros foi meio caminho andado para o podermos afirmar. Antes de estar com o S. ligava pouco a quadros e plantas, mas tenho de admitir que estes itens são pormenores que marcam a diferença. Por isso, tivemos direito a um jantar de inauguração a dois! 


Ingredientes para 2:
- 15 gr de azeite;
- 250 gr de peito de frango em tiras;
- 1/2 cebola;
- 1 dente de alho pequeno;
- 100 gr de cogumelos;
- 25 gr de vinho do porto;
- sal e pimenta q.b.;
- 50 gr de leite;
- 100 gr de natas;
- 1 c. de chá de mostarda.

Modo de preparação: 
1 - Coloque no copo o azeite e programe 3 min / varoma / vel 2.
2 - Deite a cebola e o alho e pique 5 seg / vel 5. A seguir, refogue 5 min / varoma / vel 1.
3 - Junte os cogumelos e programe 3 min / 100ºC / lâmina inversa / vel colher.
4 - Acrescente o vinho, o sal, a pimenta e o frango e programe 8 min / 100ºC / lâmina inversa / vel colher.
5 - Adicione o leite, as natas, a mostarda, rectifique os temperos e programe 5 min / varoma / lâmina inversa / vel colher.
(In Bimby as receitas essenciais, página 108)

Acompanhámos com o arroz de ervilhas que sobrou do almoço e, com a salada de alface e tomate aromatizada com manjericão e manjerico. 

Porque o momento era especial, não podia faltar o nosso vinho preferido e que marcou muitos momentos passados e igualmente especiais, o Chaminé.

Espero que tenham gostado da sugestão! Comemorem todos os momentos, mesmo quando não vos pareçam de grande importância!

Boa semana!



quinta-feira, 21 de março de 2013

Salada russa

Em tempos pensei como muito boa gente, de que a bimby é para quem não sabe cozinhar. Se podia estar mais errada? Impossível. Para todos os efeitos é uma panela que, para ser usada tem de se saber cozinhar. Claro que inicialmente (e ainda hoje) andava coladíssima ao livro base. Porque existiam algumas coisas que me faziam confusão. Porque não percebia muito bem a função das velocidades, combinadas com a temperatura, com lâmina inversa, ou com modo espiga. Enfim. Como tudo, inicialmente parecia demasiado complicado. Mas não. Nada disso. Depois da demonstração e da leitura da introdução do livro base e do livro de instruções (que recomendo a todos), esclareci algumas dúvidas que tive aquando das primeiras utilizações. Já começo a preparar algumas receitas sem ir ao livro.

Mesmo assim, frequentemente esquecia alguma das suas multifunções. Por exemplo, no outro dia fui ao Pingo Doce, quase em hora de fecho, e o talho já não tinha quase nada de jeito. Queria carne picada, mas o senhor disse que não picaria a carne porque não tinha a máquina (não me perguntem porquê, mas soo a preguiça). Optei por comprar outra coisa qualquer, já nem lembro o quê, e já em casa lembrei que poderia ter comprado um pedaço qualquer e triturar na bimby, que foi o que fiz num outro dia.

Muitas outras coisas tenho improvisado. Fiz sopa e aproveitei para cozer a vapor maçã reineta. Ah! Mas isso fica para outro post!

O que agora quero comentar, é a salada russa que preparei.


Ingredientes para 3: - 3 batatas tamanho médio (mais para o pequeno); - 1 cenoura grande (ou 2 pequenas); - taça de ervilhas (+/- 200 gr - não é exagero, é muito bom - adoro ervilhas); - 3 ovos; - 2 latas de atum (usei ao natural, 0,10€ mais barato); - sal q.b.; - maionese.

Modo de preparação: No copo coloque 1 litro de água e o cesto. Coloque os ovos e o sal (não abuse, a qualquer momento pode rectificar o tempero!). Programe varoma/10 min/vel colher. Passado esse tempo e, sem necessitar abrir a tampa, coloque as batatas descascadas e cortadas aos cubos, a cenoura e programe varoma/10 min/vel colher. Quando o tempo terminar, acrescente as ervilhas, rectifique o tempero e marque mais 5 min. Escorra e sirva quentinho! A maionese, deixe que cada um adicione a gosto!

Espero que gostem! Esta, é daquelas refeições que sabem a primavera! 

terça-feira, 19 de março de 2013

Rojões à minha maneira

Parece que não vemos fim às arrumações... No sábado arrumei a minha despensa. Inicialmente era para ser um espaço de apoio à cozinha, mas acabou por ser o meu espaço de arrumos. Despachei as caixas de roupa de outra estação e as malas de viagem que estavam em cima do roupeiro, para dentro da despensa. O quarto ficou muito melhor! Finalmente despachei a bainha do cortinado do quarto e terminei com o encerar do chão. Na despensa, sairam os sacos dos utensílios da cozinha e entraram as coisas que estavam no quarto e muitas outras com pouco uso, tais como: o faqueiro, os pratos XPTO, a caixa com as coisas do Zeca, o aquecedor e a tralha das limpezas. E assim se passou o sábado. Estava com uma neura, que nem imaginam.
 
Para quem não saiba o que fazer com os sacos do IKEA, fica a sugestão!
 

 
 
Porque o meu cantinho também serve para partilhar receitas, deixo a preparação dos rojões que foi o nosso jantar de domingo.
 
 
Ingredientes para 3: - 600 gr de rojões; - 1 cebola pequena; - 1 dente de alho; - 10 gr de azeite; - 2 tomates; - 25 gr de vinho do porto; - 25 gr de água; - sal e piripiri q.b; - salsa e coentros; - pickles.
 
Modo de preparação: Coloque a cebola (cortada em 4 pedaços), o dente de alho e o azeite no copo. Programe 5seg/vel 5. Abra a tampa e, com a espátula empurre os ingredientes para o fundo do copo. Marque varoma/5 min/vel 1 para refogar. Acrescente a carne cortada em pedaços não muito grandes (a carne foi previamente temperada com sal, vinho do porto, alhos e colorau) e os tomates reduzidos a pequenos pedaços. Programe varoma/10 min/lâmina inversa/vel 1. Passado esse tempo, rectifique os temperos e acrescente a salsa e os coentros picados. Marque mais 5 min. Coloque a carne numa travessa e polvilhe com pickles e salsa picada.
 
Acompanhámos com arroz branco e pão para molhar no molho. Ficou uma delícia!
 
Espero que gostem da sugestão!
 

sexta-feira, 15 de março de 2013

DIY

Claro que gosto de comprar coisas novas. Adoro ir às compras. E mesmo quando não posso gastar dinheiro, gosto de ver montras. Mas, também gosto muito de reciclar. Foi o que aconteceu. Quando mudámos, e tendo direito a um espaço para fazer escritório/quarto de visitas/quarto de um filho que por aí venha, e precisando de COMPRAR (primeira coisa que me veio à cabeça) um tapete para este espaço, lembrei-me de RECICLAR! E pronto! De dois tapetes que estavam destinados a ficar esquecidos num armário, fiz um tapete:



O que vos parece?

Tenho uns DIY para mostrar, de coisas que apanhei no lixo! Isso mesmo, no lixo!

Uma história...


Ontem fui a Lisboa e aproveitei para ir dar um beijinho ao avô. A mãe disse que o pai disse que o avô estava muito magrinho. Fiquei assustada, mas ao mesmo tempo pensei que se ele estava mal de saúde e havia sido operado, seria de prever que com a recuperação e a resolução do seu problema, desinchasse um bocado. Ontem estava à espera de o ver já pele e osso, mas não, nada disso. Está relativamente menos gordinho, mas continua a comer bem, e sente-se bem. Fiquei muito, mas mesmo muito aliviada. 

A parte engraçada, e que não sei se vos contei, é que o meu avô pertence a um clube, uma espécie de sociedade secreta. Pelo que sei, ele paga uma quota mensal, tendo direito a usar uma sala exclusiva a este clube! Oh pá! Eu acho a ideia tão gira, que estou a escrever e estou a rir imenso. Por isso, assim que cheguei ao meu antigo bairro, a primeira coisa que fiz foi ir ao café (a que chamamos "barracão") e pedir para verem se o meu avô estava na jogatina! E estava. Sempre me poupa a ter de subir até ao 4º andar! 

Dei-lhe para aí uns três abraços e carradas de beijinhos. É o meu avô. Ficou a promessa de que, assim que tenha tudo organizado em casa, vou buscá-lo para darmos um passeio por aqui.

É um enorme misto de emoções ir visitar o avô. Vive exactamente na rua traseira à onde vivi durante 16 anos. Não posso dizer que tenha feito grandes amizades, pois entre andar com a cabeça entre os livros e ajudar a mãe a tratar da casa, sobrava pouco tempo para amizades. Mas, ao sair do bairro, e volvidos 18 anos, pensei: "Fogo! Como o tempo passa." E tive uma enorme vontade de chorar. De chorar desalmadamente. Pensei em tudo o que se passou na minha vida até hoje. Todos os momentos bons e maus.  Os sonhos por realizar e os entretanto realizados, e concluí que dou pouca importância às coisas e às pessoas. Mas a vida é assim, não é verdade? Passa a correr.

terça-feira, 12 de março de 2013

Concertos e festas

Lembram-se deste meu desabafo

Tcharan


Ora vejam agora a minha desculpa esfarrapada: "É para oferecer à mãe que faz anos daqui a uns dias". E faz mesmo. E quer mesmo ir ver. E eu fiquei de conseguir os bilhetes oferecidos pelo próprio, mas a minha amiga que trabalha na clínica onde o senhor trata da saúdinha, ou esqueceu ou não conseguiu. E como fazer a mãe sorrir vale tudo (e porque o mulherio vai estar representado em força) tive de comprar. Esgotadíssimo, caras amigas. De acordo com a mana, que teve a gentileza de mos comprar, existe um lugar aqui, outro ali, e claro que os disponíveis são nas zonas mais caras. Depois conto o que este senhor tem de especial para levar o sexo feminino à loucura. Entretanto, vou ali espreitar a ver se encontro a tal da crise, porque isto de os concertos esgotarem num piscar de olhos tem muito que se lhe diga. 

Quero ir ver a Diana Krall, que é a "dois" passos de casa (talvez a convide para um café). E quero ir ver os Bon Jovi. Para os Bon Jovi, a mana já me convenceu a ir para a frente (lá está, bilhete mais caro, ai a minha vidinha) porque senão, ela recusa-se a ir. 

Já vos vou contando as minhas peripécias de concertos e festas (pareço uma socialite, daqui a nada começo a apresentar-me como "empresária". ahahahahahah)


segunda-feira, 11 de março de 2013

Voltando ao "normal"

Estamos quase a fazer um mês de obras, mudanças e arrumações. Se por um lado é bom para reciclar, por outro é bom para inovar. Este fim de semana foi um ver se te avias dos sacos e saquinhos que enchiam o escritório. E pronto. Já tenho escritório! Mesmo assim, reparem na quantidade de coisas que faltam:

Escritório:
-> Fazer a bainha do cortinado (que já está pendurado);
-> Colocar o sofá (que está a ocupar espaço no quarto);
-> Colocar duas prateleiras na parede, por cima da secretária (ou decidir se monto o móvel que comprei "por engano" no IKEA);
-> Voltar a encerar o chão. Sim, é verdade! OMG! Em pleno século XXI, nunca me passou na cabeça que me veria neste cenário. Para que conste, já me arrependi trilhentas mil vezes. Mexi nas poupanças para comprar cortinados e candeeiros (que posso levar comigo para todo o lado e até para a praia se me apetecer) mas para arranjar o chão (que fica aqui pró resto da sua vidinha) doía-me o coração. Para aprender, vou ficar com dores nos joelhos para o resto da minha vidinha. Enfim. Sigamos para o próximo espaço.

Sala:
-> Lavar o cortinado e fazer a bainha;
-> Decidir se o móvel com os livros fica nesta divisão, ou se o mudamos para o escritório, para que tenhamos mais espaço livre nos muitos bailes que vamos dar no futuro;
-> Pendurar os quadros (que são muitos);
-> Voltar a encerar o chão! ahahahahah

Quarto:
-> Fazer a bainha do cortinado (mas este é dos fáceis pois tem a fita maravilha);
-> Tirar as caixas que deixei no topo do roupeiro (arrumar na minha despensa);
-> Arrumar o sofá no escritório;
-> Encerar o chão (só para sofrer mais um bocadinho);

WC:
-> Nada a apontar no wc que foi a primeira divisão que despachei. :)

Cozinha:
(O horror! O drama! O CAOS!)
-> O pai tem de vir cortar o último armário;
-> O sogro tem que terminar as pinturas;
-> Eu, tenho de despachar os sacos que estão na despensa e cujo conteúdo é para despejar nos armários;
-> Eu, tenho de pintar um dos armários velhos que decidimos manter e restaurar (=pintar e forrar);
-> Lavar o cortinado;
-> Lavar a porta, que é a única que ainda não foi benzida com lixívia;
-> Lavar a janela da cozinha;
-> Pendurar o candeeiro;
-> Ir buscar a minha máquina de lavar que está na casa da mãe (espero que funcione a 100%) (Ah! Vou ter a minha máquina de lavar a loiça de volta! Que felicidade!).
-> Falta forrar com pladur  uma das paredes que partimos.

A previsão do sogro é de que mais uma semana e estamos despachados. Eu, torço o nariz e aposto que vão ser duas para ter tudo em ordem.

Claro que a bimby tem bombado! No sábado preparei salsichas frescas com couve lombarda e no domingo frango de cerveja. Tudo aprovadíssimo!



quarta-feira, 6 de março de 2013

Almôndegas na Bimby e ... fotos da casa "nova"

Sinto-me num acampamento. De momento, só tenho a bimby disponível para preparar a comida. A loiça, tenho de lavar no lavatório da casa de banho, pois de casa vez que entramos na cozinha temos uma ideia nova. A previsão é de que hoje, já teremos bancada. Pronto, a bancada acabou de tocar à campainha! Boa! Agora, só falta cortar os armários para aconchegar o frigorífico. O pai dedica-se aos cortes e fixação dos móveis. O sogro ajuda com as pinturas. 


Deixo a receita das almôndegas à minha moda. Quanto à bimby, com a história das mudanças, o marido percebeu que foi uma excelente compra! 


Ingredientes para 3 pessoas: - 400 gr de carne picada; - 25 gr de chouriço; - salsa, pão ralado e leite q.b.; - 1/2 cebola; - 1 dente de alho; - tomate; - 20 gr de azeite; - 250 ml de água; - 1 colher de sobremesa de mostarda.

Modo de preparação: Coloque a carne picada e o chouriço, igualmente picado, numa tigela. Tempere com o sal, 1/2 cebola picada, 1 dente de alho, salsa picada e a mostarda. Acrescente pão ralado e leite a olho, até obter alguma consistência. Forme bolas, passe por pão ralado e coloque no cesto, reservando. Coloque a outra metade da cebola, o alho, o tomate e o azeite. Pique 5 seg/vel 5. Refogue 5 min/varoma/vel 1. Junte a água e bata 20 seg/vel 7.Coloque o cesto e programe 20 min/varoma/vel 2.

Acompanhámos com arroz branco cozido na varoma. Para o efeito, usei o recipiente do fundue que coube na perfeição! Quando terminaram os 20 minutos o arroz não estava totalmente cozido, por isso, programei mais 3 minutos. Ficou soltinho. A preparação é simples, deitei o equivalente a 4 chávenas de café de água (usei fria) para 2 chávenas de arroz, temperei com sal, mexi com um garfo e coloquei na varoma.

Espero que tenham gostado da sugestão! Ontem, o jantar foi dourada ao sal, com batatas cozidas. Não tirei foto, mas garanto que ficou muito bom! :)

Bom apetite!