segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Guisado de grão e linguiça com ovos

Retomando, aos poucos, o ritmo, deu-me para voltar a folhear as revistas de culinária na ânsia de sentir a paixão pelos tachos e panelas e vapores que outrora enchiam a cozinha de diferentes e gulosos aromas!
 
Decidi voltar aos menus semanais, e, de um desses menus saiu este maravilhoso guisado. Ao ler a receita pensei no saboroso que deveria ser mas, provavelmente, era a saudade de comer grão que falava mais alto.
 
(Revista Bimby, Edição Jan-2013, Página 44)
 
Ingredientes para 6 doses:
- 250 gr de cebola, cortada às rodelas;
- 20 gr de azeite;
- 300 gr de linguiça, cortada às rodelas;
- 250 gr de cenoura, cortada em cubos (optei por ralar);
- 400 gr de tomate pelado em pedaços;
-500 gr de grão cozido, escorrido;
- 1/2 colher de chá de sal;
- 1 malagueta verde;
- 6 ovos.
 
Preparação:
1/ Pré aqueça o forno a 180ºC;
2/ Coloque no copo a cebola, o azeite e a linguiça e refogue 5 min / varoma / lâmina inversa / vel. colher;
3/ Adicione a cenoura e o tomate (acrescentei também espinafres picados congelados) e programe 10 min / 100º C / lâmina inversa / vel. colher;
4/ Adicione o grão, o sal e a malagueta e envolva com a ajuda da espátula.
5/ Coloque num pirex, faça pequenas cavidades na superfície, disponha os ovos com cuidado e leve ao forno a 180º C cerca de 30 minutos. Sirva de seguida.
 
Agora, em modo express! Esqueça o forno eliminando o ponto 1/. Aqueça o grão no microondas e, voltando ao ponto 5/, coloque o preparado no pirex. Quanto aos ovos, vamos escalfalos em água fervente com um pouco de vinagre. Para facilitar a tarefa, use a concha da sopa deitando o ovo cuidadosamente na concha e mergulhando-a lentamente na água em ponto de fervura. Verá que facilmente terá uns ovos tão bonitos quanto o da fotografia! Sabe que mais? Sirva de imediato e delicie-se.
 
Espero que gostem da sugestão!

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Em busca da felicidade!

Concretizado o sonho da maternidade eu, que tenho a mania de definir objetivos para um futuro pleno de sucesso pessoal, familiar e profissional e sem grandes sobressaltos, sou confrontada com o Eu-Desorganizada e com o Eu-Desesperada.
 
É verdade. Senti um enorme vazio. Uma sensação estúpida de insatisfação. Sem vontade para tratar de coisas para as quais anteriormente teria toda a genica do mundo e que rapidamente despacharia.
 
Enervava-me o facto de, além de não ter energia para mexer uma palha, parecer que todos os dias fazia as mesmas coisas, que por muito que me esforçasse a casa parecia estar por limpar. Sempre. Todos os dias. Ora, para quem luta para viver diariamente com alguma harmonia, este cenário não é o mais aprazível.
 
Reparei em coisas que, noutros tempos, ignoraria, como por exemplo: "Porque raio o meu gajo não consegue deitar o rolo de papel no lixo quando este acaba?". Antigamente, pegava no rolo e deitava na reciclagem sem problemas, mas hoje, e cansada como me sinto da rotina, estes pequenos gestos fazem a diferença.
 
Dei por mim a vasculhar os assuntos mais vastos na busca de um entendimento para a minha insatisfação. Sinceramente, parecia que havia perdido o rumo neste processo de ser mulher-mãe.
 
Foi então que me deparei com o Feng Shui que senti interiormente responder às minhas necessidades e, de alguma forma, motivar-me a fazer mais e melhor.
 
Como frequentar o curso revelava-se despendioso, comecei a ler na internet tudo o que parecia interessante em relação a esta prática milenar, assim como a ver vídeos no youtube.
 
Rapidamente percebi, tal como já suspeitava, que a minha casa estava a sugar as minhas energias. Assim, comecei por fazer pequenas alterações que em muito me ajudaram (ou distraíram) a sentir novamente o bichinho da organização e limpeza.
 
Decidi mudar de postura iniciando o meu dia com um novo hábito que implica:
 
1. Escrever o que tenho pendente e que quero concretizar nesse dia;
2. Escrever uma mensagem positiva, que reflita o meu eu interior e não o meio que me rodeia;
3. Tentar ser objetiva e prática.
 
Reparei que por muito que não me apeteça realizar uma determinada tarefa, por exemplo, lavar a loiça, sei que assim que a começo facilmente estarei mais disponível para, no momento seguinte, executar outras que estão pendentes e que exigem a minha atenção.
 
Com esta prática, ainda muito precoce, sei que me educarei a ser melhor pessoa e que o meu quotidiano será bem mais simples.
 
É importante meditar em quem somos, o que queremos ser, como nos sentimos, o que entendemos ser importante melhorar, quais os passos que mais se adaptam às nossas necessidades, para que nos sintamos felizes. Não precisamos ter o último gadget, nem precisamos viver na abundância. Por vezes, sentirmo-nos felizes só por acordar é suficiente para termos um dia milagroso!