quinta-feira, 6 de julho de 2017

Feliz 2017!

Podia pensar em mil e um temas para este post, mas este foi o que me veio à cabeça.
 
Quem tem acompanhado este cantinho, deverá ter percebido que não gosto de estar parada (assim como detesto ter muita coisa pendente). Em 2016 entendi que sentia falta de dedicar tempo à minha pessoa, principalmente ter momentos de descanso.
 
Não é que em 2017 me tenha dedicado ao descanso, optei sim por sair de casa. Isso mesmo. Já havia retomado os estudos (em slow motion, mesmo muito s-l-o-w). Decide inscrever-me no centro de ioga aqui da vila. Tenho adorado as aulas. Sinto músculos que desconhecia existirem e por vezes estou em posições em que penso "OK! Não me vou mexer nem um bocadinho para não partir qualquer coisinha ou deslocar algum orgão do seu sítio." Isto em fevereiro. Portanto, temos a faculdade e uma aulita de ioga por semana. A coisa corre de feição.
 
Decidida a enriquecer o meu currículo, inscrevi-me no curso de espanhol para avançar mais um nível. Na realidade saltei três níveis, 2 graças à prova de nível que fiz e que me situou um pouquinho mais à frente e outro terminado em junho passado com 9/10! Com o curso e com o facto de trabalhar espanhol ao longo do dia, começo a usar palavras espanholas mesmo quando falo português. Sai sem dar conta. O maridão já não me corrige pois já o avisei de que o meu cérebro por vezes faz faísca.
 
Em maio, comecei as aulas de Biodanza. ADORO! Sim, parecemos maluquinhos. Mas, é uma doce e linda loucura. Dançar sem regras e sem preocupações. O que me impressionou logo na primeira aula foi a alegria estampada na cara das pessoas e o enorme sorriso daquelas pessoas que nunca antes vira na minha vida. Fui recebida como se fizesse parte da família. Recomendo a quem se sinta numa espécie de estado depressivo ou sentindo a necessidade de se encontrar, de dar um novo rumo à sua vida.
 
E pronto, está justificada a minha longa ausência! Nunca vi o blogue como um exemplo a seguir, longe disso, mas sempre o vi como tentar dar um pouco de esperança a uma amiga - ela sabe quem é - e mostrar que podemos tudo o que quisermos. A felicidade depende de nós. Podemos ter um emprego de m****, um chefe pouco interessante, uma conta bancária com poucos dígitos, mas se temos um sorriso é meio caminho andado para não nos sentirmos presos a um sistema que parece alimentar-se da desgraça alheia. Somos muito mais do que isso.
 
A minha menina está muito crescida, felizmente continua a crescer com muita saúde, e já fala tudo! Como comecei a iniciá-la no espanhol, adora dizer "!Vale!" quando percebe que eu me estou a aborrecer com ela, por exemplo, por não querer comer a sopa.
 
Outras notícias poderão ser (eventualmente - porque o tempo o dirá) partilhadas em breve!
 
Bem haja!
 
(Adorei voltar a escrever!)




2 comentários:

Obrigada pela tua participação!